Um Segredo Guarda o Mundo é um Mural em Azulejo produzido por mim no âmbito das comemorações dos 25 Anos do grande prémio de Literatura Dst em Braga. Produzido no Atelier de João Carqueijeiro, a peça ganha um formato inicial de trapézio sendo posteriormente repensada e “rasgada” em 4 módulos. Módulos esses que representam metaforicamente páginas de livros que tem uma vontade própria de se unirem como se eles se quisessem encaixar. Trabalhei sobre um suporte conceptual regido pela força da Lua. A gravidade. As formas são flutuantes e geométricas. Representam em forma de livro aberto um Planeta suspenso numa galáxia geométrica envolto de um céu estrelado, de Astrologia, de pássaros nocturnos, nuvens que chovem, um céu negro que esconde mensagens assim como os livros escondem memórias, cheiros, texturas… Os títulos dos livros são representados na cerâmica em forma de “Haikus”, sendo sequênciados de forma a dar-lhes um sentido “poético” e a deixarem de ser palavras para serem desenho. Passam a forma. A Lua representa a gravidade, o magnetismo. Ela “segura” as formas e as cores, a arte tem essa função. De Curar, de melhorar. Esta Obra é uma janela magnética. Com Curadoria de @helenaamendespereira Read More
Exposição colectiva Kwame Sousa (ST) | Francisco Vidal (ANG / PT) | JAS (PT) | Expanded Eye (ENG) | Manuela Pimentel (PT) A mudança é a única constante. A vida é um processo de eternas transformações que ocorrem de forma gradual e sutil: ano a ano, mês a mês, dia a dia, momento a momento. Nada dura para sempre, e essa realidade nos é ao mesmo tempo maravilhosa e terrível! Change is the only constant. Year by year, month by month, day by day, moment by moment, everything is changing. Nothing lasts forever, and this truth is both wonderful and terrible. JAS marca a passagem de nossa obsessão super-acelerada e hiperestimulada pela a aparência superficial das coisas e das pessoas, para um interesse sobre o que está subjacente à superfície. Sua desconstrução do gênero clássico de retratos nos leva a refletir sobre a saturação e superexposição de imagens do século XXI, e como a prática da imagem pode construir uma fronteira entre o eu projetado e o outro percebido. Os ritos de passagem são o nosso modo comum de parar e refletir sobre essas mudanças. Nos ritos de passagem, honramos o passado e traçamos um curso para o futuro, conscientes […] Read More
Guimarães Jazz 2020 In 2020 Porta-Jazz proposes a quartet led by Hugo Raro, an unusual formation of piano, Portuguese guitar (Miguel Amaral), clarinet (Rui Teixeira) and drums (Alex Lázaro) which, as usual in the context of the festival’s partnership with this jazz collective from Porto, promotes the multidisciplinary collaboration with an artist outside music, who in this case will be JAS, a visual artist who will create the scenography and draw in real-time. There will be conversations between the music and shadows drawn on the basis of the imperfection and beauty that this imperfection can contain – accepting their shadows as an integral part of reality so that both calmly become an inevitable companion of consciousness. Hugo Raro piano, composition JAS scenography and drawing in real-time Miguel Amaral Portuguese guitar Rui Teixeira bass clarinet and baritone saxophone Alex Lázaro (SP) drums and percussion. Read More
collective exhibition Kwame Sousa (ST) | Francisco Vidal (ANG / PT) | JAS (PT) | Expanded Eye (ENG) | Manuela Pimentel (PT)   Read More
Um diálogo entre dois artistas. Uma dança entre dois amores. “Há sempre qualquer coisa que está pra acontecer. Qualquer coisa que eu [nós] devia [víamos]perceber.” AInquietação eternizada por José Mário Branco acende a fagulha para a inquietação compartilhada por Manuela Pimentel e JAS diante da constatação de que “o Mundo é um modo assumido de relação com o outro”. A presente exposição é fruto de uma provocação aceite pelos autores com vista a entrever de que forma as obras de cada um podem (ou não) habitar um mesmo espaço. Sem regras nem conceitos pré- concebidos, Inquietação é, antes de mais, o produto de um exercício curatorial a que os artistas se propõem. Lançar um renovado olhar para diferentes momentos de seus percursos artísticos, de modo a que os seus trabalhos interagissem com a arquitetura do espaço expositivo, constitui-se como um desafio inquietante. Aproximando-se da inquietação de José Mário Branco, a pintura de Manuela Pimentel e JAS nasce do incómodo, do inconformismo, da contestação, da resistência – ou será da insistência? – em viver de e para a arte. Assim como acordes dissonantes, resulta também do olhar generoso para a beleza que se depreende do mundo e das pequenas alegrias cotidianas. […] Read More
JAS – New Edition Release 2020 . Nova edição – Disponível | Available – ECLIPSE – Serigrafia Edition of 60 . Edição de 60 exemplares (5 cores) Papel conquecor connoisseur 100%algodão 300gr. – 30x43ccm Read More
Memórias de uma viagem “I do things because things Happen.” Este projeto integra memórias de uma viagem a Moçambique.  Duas semanas depois do Ciclone Idai ter evadido alguns territórios Moçambicanos o meu trabalho fica enclausurado dentro de uma memória obstinada de produção sonífera. O Ciclone Idai. Foi um acontecimento que me deixou enleado e muito instigado para compor nesse sentido. Nessas duas semanas desenvolvi dois projetos que se intitulam, Arquipélago e outro Eclipse; estes são meras  reflexões sobre o que tinha acabado de acontecer. Produzi diversas peças em papel japonês e papel lokta, a partir de matrizes já existentes e outras encontradas na praia. Metaforicamente as matrizes representam ilhas; quando reunidas formam arquipélagos. Elas alternam-se em diferentes ritmos, habitando espaços através da repetição,  peculiarizando uma textura de sobreposições. Um reagrupar do território. Desenvolvi 5 paisagens (5#arquipélagos) através da repetição que alternadas em diferentes posições constroem ritmos pictóricos discordantes. Em paralelo a este projeto surge outro que se chama #eclipse, no sentido de explorar diversos sistemas lunares. Um desastre natural está sempre vinculado à ocorrência de determinados fenômenos naturais. Contudo, decidi representar diversos sistemas lunares no seguimento metafórico que a lua poderia ter sido influencia energética neste acontecimento. As marés na Terra são essencialmente provocadas pela variação de intensidade da força gravitacional da Lua de um lado […] Read More
A Árvore – Cooperativa de Actividades Artísticas, CRL e a Seiva Trupe Teatro Vivo têm o prazer de convidar para a inauguração da exposição VIVER NERUDA NA ÁRVORE – Exposição e Teatro, no dia 09 de janeiro de 2020, das 17h00 às 19h00, na Sala 1. A exposição estará patente ao público até ao dia 25 de janeiro de 2020. Artistas convidados: Acácio de Carvalho, Alberto Péssimo, Alexandre Rola, Armando Alves, Do Carmo Vieira, Evelina Oliveira, JAS, José Emídio, José Rosinhas e Manuela Bronze. Curadoria: José Rosinhas TEATRO “O FUNERAL DE NERUDA” M/14 Anos Coprodução com Assemblea Teatro | Informações e reservas: bilheteiras.seiva@gmail.com Texto de Luis Sepúlveda e Renzo Sicco. Encenação de Renzo Sicco. Interpretação de Júlio Cardoso, Clara Nogueira, Daniele Li Basse, Filomena Gigante, Joana Teixeira, Rui Spranger. Sessões: quartas e sextas às 21:30, quintas e sábados às 19:00 e domingos às 17:00.     Read More
MOZART SUR LE SABLE – JAS&ORCHESTRE DE L´OPÉRA DE ROUEN NORMANDIE I dedicate this Concert to my dear Father… Chloé Dufresne – Direction Musicale . JAS – illustration sur sable . Olivia Doray – Soprano Read More
Inspirados por um verso de António José Fortes, propomos a fulgentes figuras da vida cultural portuguesa um exercício simples e despretensioso: revelarem-nos um poema luminoso, mágico, furioso, que nos emocione e desarme, que nos “levante com os olhos”. A essência desta sessão é justamente a revelação de todas essas escolhas poéticas, algumas delas surpreendentes. Assim mesmo: as escolhas poéticas de cerca de trinta figuras públicas, outros tantos poemas, nesta festa onde a Palavra é quem mais ordena. Um convite à poesia, à liberdade, à imaginação pessoal. A sessão conta com a presença de muitos artistas, todos eles embalados pelo fulgor da Palavra. Afonso Cruz Pedro Mexia Renato Roque JAS Carla Bolito Teresa Coutinho José Anjos e Vítor Alves da Silva Raúl da Costa Raquel Ralha & Pedro Renato Manel Cruz 19 Qui 22.00h – CAMPO ALEGRE Auditório – 9.00€ • 2.00h (com intervalo) • >12 Para mais info clique aqui Read More